buscar
‚ÄúAs mais avan√ßadas t√©cnicas de imagem para estudos de sistemas biol√≥gicos, da mol√©cula ao organismo inteiro.‚ÄĚ
‚ÄúInfraestrutura cient√≠fica √ļnica na Am√©rica Latina.‚ÄĚ
 
     
 
     
 
Novo Espírito Santo Vírus no combate à dengue

Pesquisadores do INBEB descobrem novo vírus capaz de controlar a replicação da dengue em insetos e conquistam capa da Journal of Virology de março
Por Marina Verjovsky - março 2012

Pesquisadores do INBEB, em colaboração com uma equipe dos EUA, descobriram um novo vírus que infecta células de insetos e parece alterar a replicação do vírus da dengue nestas células. Denominado de Espírito Santo Vírus, foi extraído de amostras de pacientes brasileiros com dengue, mas não se sabe se houve contaminação posterior pela replicação em insetos, pois este vírus não foi capaz de se multiplicar em células de mamíferos, apenas de insetos. O virologista Davis Ferreira, do Instituto de Microbiologia da UFRJ é um dos responsáveis pelo estudo, e acredita que pode se tratar de uma potencial nova forma de controlar a replicação do vírus da dengue. O trabalho conquistou a capa da revista Journal of Virology de março.

Ferreira explica que o Esp√≠rito Santo V√≠rus (ESV) foi descoberto por acaso. ‚ÄúA ideia inicial era melhorar a produ√ß√£o do v√≠rus da dengue, para que pud√©ssemos fazer uma boa imagem da sua estrutura e melhorar a sua estabilidade. Devido ao melhor rendimento do v√≠rus aqui no Brasil, resolvemos enviar para a equipe do pesquisador Dennis Brown, nos EUA, uma amostra obtida pela Bio Manguinhos‚ÄĚ, comenta. O trabalho foi ent√£o executado por um estudante brasileiro fazendo o PhD pleno na North Carolina State University, Ricardo Vancini. ‚ÄúPor√©m, exames de Microscopia Eletr√īnica revelaram que o v√≠rus da amostra era bastante distinto dos atualmente descritos. Pensamos se tratar de uma nova cepa, ent√£o enviamos para a espectrometria de Massa e, para nossa surpresa, n√£o conseguimos identificar nem dengue e nem qualquer outro v√≠rus conhecido. Na realidade, n√≥s est√°vamos olhando para um v√≠rus que ainda n√£o estava em nenhum banco de dados.‚ÄĚ

Nas pesquisas já realisadas, o grupo concluiu que o novo vírus apresenta duas características peculiares. A primeira é que o ESV tem sua produção aumentada quando a célula é co-infectada com pelo menos uma cepa do vírus da dengue. A segunda característica é que células de inseto co-infectadas com ambos os vírus conseguem produzir proteínas da dengue, mas não chegam a montar novas partículas deste vírus. Ou seja, o ESV de alguma forma controla a replicação ou montagem do vírus da dengue, o que pode impedir ou diminuir a infecção de novas células pela dengue.

V√°rias perguntas ainda est√£o em aberto. ‚ÄúComo o ESV consegue controlar a replica√ß√£o do v√≠rus da dengue? Por que a co-infec√ß√£o com o v√≠rus da Dengue aumenta sua replica√ß√£o? E o novo v√≠rus realmente estava presente na amostra de soro do paciente, ou foi uma contamina√ß√£o posterior?‚ÄĚ, ressalta Ferreira. ‚ÄúPor√©m, nossos grupos j√° est√£o trabalhando para obter estas respostas, e, quem sabe, poderemos ter uma nova ideia de como controlar a replica√ß√£o do v√≠rus da dengue, que impacta cerca de tr√™s bilh√Ķes de pessoas no mundo‚ÄĚ.

 

 
     
     
   
     
2020 - Todos os direitos reservados.