buscar
‚ÄúAs mais avan√ßadas t√©cnicas de imagem para estudos de sistemas biol√≥gicos, da mol√©cula ao organismo inteiro.‚ÄĚ
‚ÄúInfraestrutura cient√≠fica √ļnica na Am√©rica Latina.‚ÄĚ
 
     
 
     
 
Proteínas desenoveladas foram tema de simpósio

Aplica√ß√Ķes e pesquisas sobre prote√≠nas intrinsecamente desenoveladas foram tema de simp√≥sio em junho

Cerca de metade das prote√≠nas que temos em nosso corpo podem naturalmente n√£o ter uma estrutura definida e ainda assim exercer importantes fun√ß√Ķes fisiol√≥gicas. O dado ‚Äď que desmistifica a concep√ß√£o corrente de que a fun√ß√£o de uma prote√≠na √© dependente de sua estrutura ‚Äď foi trazido por diversos palestrantes no Simp√≥sio ‚ÄúIntrinsically Disordered Proteins in Health and Disease‚ÄĚ, que aconteceu no dia 6 de junho de 2017, na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Organizado pelo Instituto Nacional de Ci√™ncia e Tecnologia de Biologia Estrutural e Bioimagem (INBEB), o simp√≥sio foi um evento sat√©lite da International Conference on Biological Physics (ICBP2017) , que acontece de 5 a 9 de junho, no Rio de Janeiro.

As prote√≠nas intrinsecamente desenoveladas (IDPs, sigla em ingl√™s) podem adotar diferentes posicionamentos no espa√ßo e est√£o envolvidas com uma s√©rie de fun√ß√Ķes normais do organismo, como na mem√≥ria de longa dura√ß√£o e no sistema nervoso. Al√©m disso, muitas patologias humanas, como a Doen√ßa de Parkinson e o c√Ęncer, envolvem intera√ß√Ķes com prote√≠nas total ou parcialmente desenoveladas. No Simp√≥sio Sat√©lite, foram abordados diversos aspectos das IDPs, como a utiliza√ß√£o destas prote√≠nas no desenvolvimento de biomateriais; as potencialidades das estruturas desenoveladas como alvos terap√™uticos; a import√Ęncia destas prote√≠nas na constitui√ß√£o da mem√≥ria; a rela√ß√£o entre as IDPs e a origem e a evolu√ß√£o das c√©lulas eucari√≥ticas; a intera√ß√£o entre pr√≠ons e lip√≠deos, a√ß√ļcares e DNA ribossomal, entre outros temas.

Figura: O simpósio contou com palestrantes nacionais e internacionais. Em pé: Elio Cino, Yraima Cordeiro, Sarah Bondos, Aihua Xie, Guilherme Oliveira, Jerson Lima e Tuane Vieira. Sentados: Kausik Si e Keith Dunker (Foto: Gabriela Reznik/AscomINBEB).

Um dos coordenadores do simp√≥sio, Keith Dunker, destacou a import√Ęncia das regi√Ķes intrinsecamente desenoveladas para o desenvolvimento do organismo, como, por exemplo, na diferencia√ß√£o e ades√£o celular. Dunker atentou para o fato de que as IDPs n√£o v√™m recebendo a devida import√Ęncia e prop√īs, em tom de brincadeira: ‚ÄúN√≥s dever√≠amos reescrever os livros de bioqu√≠mica, incluindo o estudo das prote√≠nas intrinsecamente desenoveladas entre os tr√™s t√≥picos principais, junto com cat√°lise, transporte de membrana e liga√ß√£o com pequenas mol√©culas‚ÄĚ. O pesquisador destacou ainda que, no processo evolutivo, houve um aumento na percentagem de IDPs nos organismos eucariontes multicelulares quando comparados com bact√©rias e arqueobact√©rias.

Sarah Bondos, da Texas A&M Health Science Centre, mostrou pesquisas sobre biomateriais baseados em prote√≠nas, como o fator de transcri√ß√£o Ubx ‚Äď que apresenta regi√Ķes intrinsecamente desenoveladas ‚Äď, cuja fibra pode esticar em at√© 26 cent√≠metros e se mostra como uma ferramenta potente. Bondos contou que descobriu ocasionalmente a potencialidade da biomol√©cula, ap√≥s um dia cansativo de trabalho no laborat√≥rio. Ela deixou a amostra da prote√≠na purificada fora do seu local de armazenamento e, ao chegar, na manh√£ seguinte, percebeu que havia um fio pendurado do tubo, formando uma fibra. Esse acontecimento inusitado abriu seu olhar para o trabalho com biomateriais.

Figura: Pesquisadores, estudantes de pós-graduação e de graduação compareceram ao evento (Foto: Gabriela Reznik/AscomINBEB).

Os pr√≠ons ‚Äď prote√≠nas que assumem formas infecciosas ‚Äď foram tema das palestras dos pesquisadores Jerson Lima, coordenador do INBEB, da bioqu√≠mica Tuane Vieira, do IFRJ, e da pesquisadora Yraima Cordeiro, da UFRJ, uma vez que algumas dessas mol√©culas possuem regi√Ķes intrinsecamente desenoveladas. Em sua apresenta√ß√£o, Jerson Lima, um dos coordenadores do simp√≥sio, comparou a intera√ß√£o de prote√≠nas e √°cidos nucleicos em doen√ßas neurodegenerativas com o romance de fic√ß√£o Dr. Jekyll e Mr. Hyde. A intera√ß√£o pode ser benigna e funcional, como o personagem do m√©dico, ou se tornar patog√™nica, como acontece com o monstruoso Mr. Hyde.

Confira a programa√ß√£o do simp√≥sio e o √°bum de fotos no Facebook do INBEB.

Por Gabriela Reznik/AscomINBEB ‚Äď Publicado em 07/06/2017


 

 
     
     
   
     
2017 - Todos os direitos reservados.