buscar
‚ÄúAs mais avan√ßadas t√©cnicas de imagem para estudos de sistemas biol√≥gicos, da mol√©cula ao organismo inteiro.‚ÄĚ
‚ÄúInfraestrutura cient√≠fica √ļnica na Am√©rica Latina.‚ÄĚ
 
     
 
     
 
Vacina da febre amarela pode prevenir contra Zika

Vacina da febre amarela pode prevenir contra vírus Zika, aponta estudo brasileiro
Descoberta foi publicada em preprint por grupo de pesquisadores ligados a UFRJ e Fiocruz

O desenvolvimento de uma vacina que proteja contra o v√≠rus Zika √© prioridade em pol√≠tica p√ļblica de sa√ļde no mundo. Diversos centros de pesquisa no Brasil, na Fran√ßa, nos EUA e em outros pa√≠ses t√™m se dedicado ao assunto. Descoberta recente de pesquisadores brasileiros pode trazer uma solu√ß√£o mais r√°pido do que se imaginava: a atual vacina contra a febre amarela √© eficaz em imunizar contra a infec√ß√£o causada pelo v√≠rus Zika, devido √† similaridade entre ambos os v√≠rus. Os testes foram feitos em camundongos, em laborat√≥rio. A confirma√ß√£o dos resultados traria economia de tempo e investimentos necess√°rios, permitindo a ado√ß√£o de uma vacina barata, j√° licenciada e comercializada.

O estudo foi coordenado pelos professores Jerson Lima Silva, Andrea Cheble Oliveira e Andre Gomes, do Instituto de Bioquímica Médica da UFRJ (IBqM/UFRJ) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Biologia Estrutural e Bioimagem (INBEB), e pelo professor Herbert Guedes, do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da UFRJ (IBCCF/UFRJ). O trabalho foi publicado em preprint, com os primeiros resultados. O grupo de pesquisadores trabalha agora para entender melhor como funcionam os mecanismos de proteção desenvolvidos contra o vírus Zika a partir da vacina da febre amarela.

Mecanismo de defesa

A imuniza√ß√£o promovida pela vacina da febre amarela contra a infec√ß√£o do Zika √© poss√≠vel devido a um processo chamado prote√ß√£o cruzada - quando um agente infeccioso leva ao desenvolvimento de resposta imune contra outro pat√≥geno. Como ambos os v√≠rus pertencem ao g√™nero dos flaviv√≠rus, suas estruturas biol√≥gicas s√£o muito parecidas. Foi da√≠ que surgiu a ideia para a pesquisa. ‚ÄúO Jerson [coordenador do estudo] falou: como os v√≠rus s√£o muito similares, por que a gente n√£o testa a vacina da febre amarela?‚ÄĚ, conta Hildemagna Guedes (IBqM/UFRJ e INBEB), uma das coautoras do estudo e pesquisadora de p√≥s-doutorado da UFRJ com financiamento da Funda√ß√£o de Amparo √† Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ).

O estudo

Para estudar a efic√°cia da vacina, os pesquisadores usaram diferentes linhagens de camundongos, incluindo tanto animais com sistema imunol√≥gico saud√°vel (imunocompetentes) quanto animais com sistema imune comprometido e, portanto, mais suscet√≠veis a infec√ß√Ķes virais (imunocomprometidos). Cada linhagem foi divida em dois grupos: os que receberam a vacina com o v√≠rus atenuado da febre amarela e os que receberam apenas uma solu√ß√£o salina, sem nenhum efeito imunol√≥gico. Ap√≥s isso, os animais foram infectados com o v√≠rus Zika diretamente no c√©rebro - protocolo normalmente adotado em estudos de vacina, para simular uma infec√ß√£o com alto √≠ndice de letalidade. J√° a vacina foi aplicada de forma subcut√Ęnea, como ocorre em seres humanos.

Em todos os casos, os camundongos desenvolveram um alto grau de prote√ß√£o contra a infec√ß√£o do Zika. No grupo dos imunocompetentes vacinados, observou-se uma significativa redu√ß√£o da carga viral no c√©rebro e aus√™ncia dos sintomas, em compara√ß√£o aos n√£o vacinados, que apresentavam perda de peso e altera√ß√Ķes neurol√≥gicas e motoras. J√° entre os que tinham o sistema imunol√≥gico comprometido, observou-se a redu√ß√£o do n√ļmero de mortes, com perda de peso seguida de plena recupera√ß√£o - ao contr√°rio do que acontece nos n√£o vacinados, cuja maioria morre.

Vantagens da vacina

Existem outras vacinas sendo testadas, algumas j√° em fase 2 de estudos cl√≠nicos - quando um medicamento √© testado em um grupo piloto de seres humanos para avalia√ß√£o da efic√°cia terap√™utica. A ado√ß√£o da vacina da febre amarela, no entanto, apresenta vantagens, por j√° estar licenciada e ser comercializada mundialmente, al√©m de ter custo reduzido. H√° ainda o fato de que, na eventualidade de um novo surto de infec√ß√Ķes pelo v√≠rus Zika, essa vacina pode rapidamente ser distribu√≠da e aplicada na popula√ß√£o. Al√©m disso, uma √ļnica dose da mesma √© suficiente para imunizar pela vida toda, protegendo contra dois pat√≥genos de uma s√≥ vez.

Publicação online

O estudo intitulado ‚ÄúYellow Fever Vaccine Protects Resistant and Susceptible Mice Against Zika Virus Infection‚ÄĚ est√° dispon√≠vel online em https://www.biorxiv.org/content/10.1101/587444v1

Financiamento

O estudo teve financiamento da Funda√ß√£o Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cient√≠fico e Tecnol√≥gico (CNPq), do Minist√©rio da Sa√ļde (Decit/SCTIE/MS), da Coordena√ß√£o de Aperfei√ßoamento de Pessoal de N√≠vel Superior (CAPES) e da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).

Mais informa√ß√Ķes: inbeb.ascom@gmail.com

----------------
Por Luana Rocha (AsCom INBEB)
Publicado em 28/03/2019

 
     
     
   
     
2019 - Todos os direitos reservados.